Áreas

Histórico

A SUCESU –inicialmente denominada Sociedade de Usuários de Computadores e Equipamentos Subsidiários –foi criada em 1965 por um grupo de usuários que se reunia para debater e buscar soluções para problemas comuns em conjunto. A SUCESU–Associação de Usuários de Informática e Telecomunicações – é uma sociedade civil sem fins lucrativos e sem caráter político-partidário, de representação política dos seus associados e de coordenação, promoção, execução e indução de atividades no setor de TIC (Tecnologia da Informação e Telecomunicações). A SUCESU é uma das maiores e mais experiente entidade brasileira do setor. Com sede em Brasília, conta hoje com 13 Regionais e em torno de hum mil associados entre Pessoas Físicas e Jurídicas, agregando aproximadamente 100 mil usuários.

A SUCESU tem se integrado em lutas importantes na história da informática brasileira, tais quais:

  • A implantação da Lei do Software, do II Planin – Fórum de acompanhamento do Plano Nacional de Informática e Automação;
  • Lutou pelo fim da Reserva de Mercado;
  • Da redução da carga tributária, pela difusão de novas tecnologias;
  • Capacitação de recursos humanos e novas políticas de desenvolvimento do setor para favorecer o crescimento da economia, visando atingir, também, empregos e salários. Participa do CONIN – Conselho Nacional de Informática e Automação.
  • Mais atual no envolvimento e parceria com outras entidades a fins na luta por uma TI engajada com o desenvolvimento sustentável contribuindo com soluções inteligentes, escaláveis e de alta performance na implementação de modelos de governos eletrônico no mundo, em benefício do cidadão.

Seus principais objetivos são:

  • Defender os direitos dos usuários;
  • Difundir ideias que sejam do interesse dos associados;
  • Representar politicamente todos os integrantes da entidade,
  • Representar empresas e profissionais do setor de Informática e Telecomunicações;
  • Promover e colaborar no desenvolvimento do setor de Informática e Telecomunicações;
  • Realizar e estimular debates técnicos e políticos;
  • Promover a absorção e divulgação de tecnologias relacionadas à Informática e Telecomunicações;
  • Interagir com entidades especializadas, objetivando a definição e atribuição de padrões técnicos de normalização e de controle de qualidade.